Turismo procura dar passos para garantir a retoma

Crise ainda se faz sentir, mas desconfinamento abre portas ao otimismo moderado

O ramo do turismo foi um dos mais castigados pela pandemia. No entanto, com o alívio de várias das restrições, este verão registou algumas melhorias em relação ao do ano passado. Para trás ficou um cenário de perdas avultadas e subsistem dúvidas sobre quando poderá o setor atingir os níveis de outrora. O programa Retomar Portugal, organizado por BPI, “Jornal de Notícias” e TSF, dará destaque a este assunto na conferência da próxima quinta-feira, dia 9.

João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), confirma o crescimento registado nesta época alta em comparação com 2020, mas não deixa de salientar o largo período de prejuízos acumulados. “A comparação homóloga, este ano, em junho e julho, é positiva face ao ano anterior, mas temos de nos lembrar que, em cadeia, estamos em perda desde março do ano passado”, refere o responsável.

Também António Jorge Costa, presidente do Instituto do Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), sustenta que os últimos avanços no desconfinamento vieram dar um balão de oxigénio importante, exaltando ao mesmo tempo o contributo do mercado nacional. “As últimas medidas tomadas permitiram que, em agosto, houvesse um incentivo grande ao crescimento do turismo. Além disso, é notória a aposta dos portugueses em fazer férias no país”, referiu. Não obstante, António Jorge Costa assinala “a limitação à chegada de turistas internacionais” que, acrescenta o próprio, “eram a grande percentagem de turistas em Portugal”.

A propósito desta intermitência na vinda de hóspedes estrangeiros, João Fernandes assume que “as flutuações na procura são muito repentinas e desproporcionadas”. Essa incerteza ergue barreiras difíceis de superar, na medida em que, como explica o presidente da RTA, origina “um recrutamento de recursos humanos e a aquisição de bens e serviços para fazer face a uma procura que, de repente, deixa de existir, permanecendo, porém, os custos fixos”. Apesar de tudo, João Fernandes afirma que “a maioria das empresas tem sido resiliente, graças ao esforço de empresários e trabalhadores”.

Já sobre um regresso do setor turístico à normalidade plena em breve, António Jorge Costa diz que “será difícil atingir em 2022 os níveis de 2019, pois implicaria uma retoma total de voos e não há meios para que isso aconteça nos próximos 12/14 meses”. O presidente do IPDT acredita que, “em 2023, começará a estabelecer-se uma base de crescimento e, quem sabe, em finais desse ano já se estará próximo de retomar a normalidade”.

Curiosidade

Foram acumulados 21,2 milhões de euros no programa IVAucher, em junho. Nesse mesmo mês foram registadas mais de 6 milhões de faturas com número de contribuinte nos setores do alojamento, cultura e restauração.

Factos & números

1,4 milhões de hóspedes foram registados no país, em junho passado, segundo o INE. Trata-se de um crescimento expressivo em relação a 2020, onde houve apenas 476 mil.

463 milhões de euros entraram nos cofres dos alojamentos turísticos nacionais no primeiro semestre de 2021, representando uma quebra de 74% face ao período homólogo de 2019.

Açores em quebra

Entre março de 2020 e fevereiro de 2021, a Região Autónoma dos Açores foi a que mais perdeu em termos de turistas estrangeiros, com menos 90% em comparação com 2019.

Moratórias

As moratórias ligadas ao alojamento e à restauração subiram 54% em abril deste ano. O valor dos empréstimos nestes dois setores atingiu os 4161 milhões de euros.

Franceses lideram

Os turistas franceses foram os que mais dinheiro deixaram em Portugal desde o início da pandemia. Só em 2020, os franceses gastaram 1551 milhões de euros no país.

70% foi, aproximadamente, a taxa de ocupação dos hotéis do Algarve, em agosto. Uma percentagem que, ainda assim, fica longe das registadas no período pré-pandémico.

Novas empresas

Desde janeiro até final do mês de julho deste ano, o turismo registou o nascimento de menos 36% de novas empresas do que aquelas que haviam sido criadas em 2019.