Slide CIÊNCIA &
INOVAÇÃO
SEMANA 20/9 | CONFERÊNCIA

A chegada dos fundos comunitários impõe que se assegure o investimento nas áreas da Ciência e da Inovação. Apoiar as empresas nestes domínios é fundamental para a economia do país. Um tema a debater na Conferência Retomar Portugal de 20 de setembro.

Empresas e ensino superior podem aliar-se a bem da recuperação económica

O governo garante que a Ciência e a Inovação são áreas prioritárias. A prova-lo, aponta o Plano de Recuperação e Resiliência no qual estes domínios são contemplados com um investimento de 6,4mil milhões de euros que correspondem a 40% das verbas disponíveis.

O objetivo da verba é estimular a investigação e a inovação implementando reformas e criando mecanismos de investimento com taxas de apoio, naquelas áreas, a 100%.

Esta aposta é essencial se se tiver em conta um estudo da Direção Geral de Estatística da Educação no qual ficam patentes as dificuldades das empresas privadas em investir nestas áreas.

Outro dado revelador da necessidade de impulsionar este setor é o “trambolhão” que Portugal deu no Ranking Europeu de Inovação 2021 tendo descido sete lugares (de 12 passou para 19) o que acontece pela primeira vez desde 2014. O índice da comissão europeia deu nota positiva a Portugal em matéria de digitalização e sistema de investigação, mas “chumbou” o país no que diz respeito ao investimento em inovação e emprego. Um resultado que decorre do facto, de Bruxelas ter introduzido, este ano, mais indicadores na avaliação o que mostra que Portugal, quando se aperta a “malha da análise”, tem ainda um longo caminho a percorrer nestes domínios.

Apoiar as empresas dando-lhes condições para aumentarem a aposta no conhecimento é por isso fundamental para a meta que o governo traçou, ou seja que até 2030, a despesa total em investigação e desenvolvimento corresponda a 3% do Produto Interno Bruto.

Este caminho não pode ser apenas feito pelas empresas. O envolvimento das Universidades e Politécnicos é fundamental e a provar a urgência de uma ação concertada estão vários manifestos, assinados por cientistas e empresários, nos quais se propõe o reforço do papel da ciência e inovação na recuperação de Portugal no pós-covid19. Nestes documentos sublinha-se a necessidade de reter o talento nacional assim como se defende a criação ou captação de empresas mais inovadoras. Considerando a importância do tema para o futuro de Portugal, os signatários destes manifestos propõem mesmo a formalização de um pacto de regime para a Ciência e Inovação 2020-2030.

Debater esta temática é a proposta que faz a TSF, o JN e o BPI. Que caminhos trilhar? Que prioridades devem ser assumidas? Que apoios devem ser garantidos? São questões que sobem a debate na conferência Retomar Portugal agendada para 20 de setembro às 10H.

PROGRAMA

10h00 | ABERTURA
Leonor Ferreira, JORNALISTA TSF

10h05 | INTERVENÇÕES

Passagem depoimento de Elvira Fortunato
Professora catedrática na Universidade Nova de Lisboa

Eduardo Correia
CEO do Taguspark

Fontainhas Fernandes
Presidente Comissão Nacional Acesso Ensino Superior (UTAD)

Joana Mendonça
Presidente da ANI

Jorge Portugal
Diretor geral COTEC

Pedro Coelho
Diretor Executivo BPI

Leonor Ferreira
jornalista TSF

11h20 | QUESTÕES DO PÚBLICO (via WhatsApp)

11h30 | ENCERRAMENTO

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Diálogo com academias deve aumentar

Elvira Fortunato defende necessidade de diálogo
Ler mais

País perdeu terreno na ciência e inovação

Académicos criticam ausência de metas e escasso investimento
Ler mais

Faltam recursos qualificados para dar força à inovação

O salto em matéria de ciência e inovação que Portugal precisa de dar está dependente também da sua capacidade de gerar, recrutar e reter quadros qualificados que modernizem o tecido empresarial.
Ler mais